Sábado, 20 de Julho de 2024
Publicidade

Veracel apoia o IBAMA no acompanhamento de araras-vermelhas soltas na Mata Atlântica

Projeto desenvolvido pelo IBAMA em Porto Seguro (BA) reintroduziu 35 exemplares de arara-vermelha-grande em área vizinha à Reserva Particular do Patrimônio Natural Estação Veracel, e a companhia tem realizado ações de comunicação para a sensibilização da comunidade local. Saiba o que fazer se encontrar uma das aves.

10/07/2024 às 19h14 Atualizada em 10/07/2024 às 19h20
Por: Guilherme Molina Fonte: Ascom- Veracel
Compartilhe:
Arara-Vermelha (ilustração-Veracel)
Arara-Vermelha (ilustração-Veracel)

EUNÁPOLIS – Em uma ação inédita realizada na última semana, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) acaba de reintroduzir na natureza, na Mata Atlântica do Sul da Bahia, um grupo de 35 araras-vermelhas-grandes (Ara chloropterus). As aves, cuja espécie chegou a ser extinta em ambiente natural entre os séculos 19 e 20, são provenientes de cativeiros e foram apreendidas em operações de combate ao tráfico de animais silvestres. A Reserva Natural do Patrimônio Natural (RPPN) Estação Veracel entrou como uma parceira do projeto, para apoiar o IBAMA em ações de conscientização ambiental junto às comunidades na região Sul da Bahia sobre a importância da preservação da espécie. 

A reintrodução dos animais foi um projeto desenvolvido pelo Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do IBAMA em Porto Seguro, contando com o apoio de diversas entidades e organizações ambientais. A primeira ação de reintrodução ocorreu na Estação Ecológica do Pau-Brasil, em Porto Seguro, em local próximo da área da RPPN Estação Veracel. A presença da mata nativa bem preservada nessa região foi crucial para a escolha do local de soltura, proporcionando um habitat adequado para as aves.

“A união de esforços possibilitou a soltura do primeiro grupo de araras-vermelhas-grandes, individualmente identificadas para permitir seu monitoramento na natureza,” afirma Cid José Teixeira, chefe do Cetas/BA.  "O sucesso da reintrodução será avaliado pelo monitoramento pós-soltura de longo prazo, que inclui o acompanhamento dos animais e o registro do consumo de alimentos disponíveis na natureza, da ocupação das caixas-ninhos e da produção de filhotes. A meta é alcançar a persistência de uma população selvagem sem intervenção humana", diz ainda Teixeira.

O que fazer se encontrar uma arara-vermelha-grande?

A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Estação Veracel é reconhecida na região Sul da Bahia devido aos seus mais de 6 mil hectares preservados de Mata Atlântica, além de desempenhar um papel crucial ao conduzir programas de educação ambiental com a população no entorno da área de soltura.

“É fundamental que a comunidade do sul da Bahia esteja ciente e participe ativamente na preservação dessas araras-vermelhas reintroduzidas. Ao avistar uma arara-vermelha, é importante não capturar esses indivíduos, uma vez que as aves têm um papel importante no equilíbrio ambiental. A presença dessa espécie é relatada em vários documentos de Pedro Álvares Cabral, em 1500. As aves são emblemáticas para a história do Brasil! Precisamos que as pessoas tenham consciência de sua importância e que é papel de todos nós garantir sua proteção e seu bem-estar”, destaca Virginia Londe de Camargos, bióloga e gerente de Meio Ambiente da Veracel.


A especialista destaca algumas dicas para que a população saiba o que fazer se avistar um dos animais na região, que tendem a circular nas áreas de reserva nativa da região:

●        Mantenha uma distância segura: Quando encontrar uma arara-vermelha, admire sua beleza de longe. Aproximar-se demais pode estressar a ave e interferir em seu comportamento natural.

●        Não alimente as araras: As araras precisam aprender a encontrar seu próprio alimento na natureza. Alimentá-las pode torná-las dependentes e dificultar sua adaptação ao ambiente selvagem.

●        Não capture ou tente acariciar as aves: Capturar ou tentar manter a arara como animal de estimação é ilegal e prejudicial ao ecossistema. A intenção é que elas possam restabelecer sua população em seu habitat natural, e não devemos interferir. Lembrando que essas aves são protegidas por lei. Além disso, a captura pode causar estresse severo e até lesões nos animais.

●        Relate avistamentos: Se avistar uma arara-vermelha, reporte a localização ao IBAMA. Isso ajuda no monitoramento e na proteção das aves.

●        Compartilhe informações com amigos e familiares: Explique a importância de deixar as araras viverem livres na natureza. A educação ambiental é fundamental para a conservação das espécies.

●        Conserve a mata nativa: Não faça desmatamento e promova o plantio de árvores nativas. As araras precisam de um ambiente saudável e diversificado para sobreviver e prosperar.

●        Não entre em áreas restritas: As áreas de soltura são cuidadosamente selecionadas para a reintrodução das aves. Respeitar essas áreas garante que as araras possam se adaptar ao seu novo ambiente.  

O Cetas/BA do IBAMA em Porto Seguro pode ser acionado pelo telefone (71) 98426-6575 ou pelo e-mail [email protected]. Também é possível avisar a Polícia Ambiental (CIPPA) de Porto Seguro pelo telefone (73) 99807-1353, e a Secretaria de Meio Ambiente de Porto Seguro pelo telefone (73) 99824-6948.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Lenium - Criar site de notícias